Artigos


27/10/2018
Autor: Emilia Afrange
Breve relato II Congress Mental Health- Moscou, Russia 2018
Autoria: Emilia Afrange

São Paulo, 25 de outubro de 2018.

Caros colegas, bom dia (boa tarde, boa noite).

É com a plena satisfação do dever cumprido, como representante da Federação Latino-Americana de Psicoterapia (Flapsi), que lhes enviamos este breve relato.

Nele, estão discriminadas as experiências que vivenciamos antes e durante as duas edições do Congress on Mental Health realizadas em Moscou, na Rússia.

O tema de ambas – Meeting the needs of the XXI century: mental health and education – deu-nos a oportunidade ímpar de conviver com psicoterapeutas de todo o mundo e de intercambiar conhecimento e práxis.

Em 2013, durante praticamente todo o mês de julho, participamos de um pré-Congresso no decorrer do first united Eurasian Congress for Psychotherapy, em São Petersburgo.

Neste evento, apresentamos: 1) a intervenção psicoterápica que vimos oferecendo, de forma voluntária, ao público-alvo da ONG Mamãe-Associação de Assistência à Criança Santamarense[1], instituição de caráter beneficente, social e educacional, que desenvolve ações com crianças, adolescentes e adultos carentes da periferia da cidade de São Paulo, Brasil; 2) um estudo clínico realizado no ambulatório de prematuros do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo-Escola Paulista de Medicina (Unifesp-EPM), dada a relevância e a contemporaneidade do tema.

Ao final, recebemos o convite para participar do comitê organizador internacional do I Congress on Mental Health, programado para os dias 7 e 8 de outubro de 2016. 

Ao I Congress on Mental Health, apresentamos 1) questões relativas à prematuridade, atualmente, considerado um problema mundial e crescente de saúde pública[2] a partir da constatação de que as taxas de parto pré-termo vêm aumentando periodicamente em quase todos os países e em todas as classes sociais, sobretudo em populações economicamente carentes. Entre os países responsáveis por 60% dos casos, o Brasil ocupa o 10º lugar. Segundo o Ministério da Saúde do Brasil, a prematuridade no País é a principal causa de morte no primeiro mês de vida e a segunda para as crianças de até cinco anos de idade; 2) o panorama da Psicoterapia no Brasil e na América Latina.

Após o encerramento do evento, novamente, recebemos convite para integrar o comitê organizador internacional da segunda edição do Congress on Mental Health, planejado para o período de 5 a 7 de outubro de 2018, em Moscou, Rússia.

Como já se tornou tradicional ocorrer, o II Congress on Mental Health foi realizado às vésperas do Dia Mundial da Saúde Mental, quando o mundo inteiro está direcionado para as questões relacionadas à melhoria da saúde mental e das práticas de cuidado.

Ao II Congress on Mental Health, expusemos dois temas: 1) Saúde Mental: do singular ao comunitário, transitando por entre realidades subjetivas e outras de fato; 2) Prematuridade: porque devemos nos preocupar?

O tema da prematuridade foi exaltado na abertura do Congresso e elencado como uma área de necessidade de atenção.

Participamos de duas outras atividades paralelas à programação oficial: 1) um painel de discussão no Laboratório WCP – Future Lab –, cujo objetivo é destacar os principais problemas do sistema e a compreensão presente dos programas de treinamento de futuros psicoterapeutas em diferentes países, para oferecer novas soluções, cujo público-alvo são os jovens psicoterapeutas; 2) uma visita ao Rehabilitation Center for Disabled Children, ONG fundada em 1991 e membro do Autism Europe’s Council of Administration.

Dando sequência à sua primeira edição, o II Congress on Mental Health tornou-se uma plataforma global interdisciplinar e inter-setorial de discussão de estratégias regionais em saúde mental.

Os comitês organizadores internacionais e russos e o comitê científico criaram um programa que incluiu mais de 40 eventos acadêmicos e culturais e permitiu aos participantes realizar uma discussão aprofundada sobre o tema principal do Congresso – Saúde Mental e Educação.

O programa científico reuniu importantes especialistas internacionais de mais de cinquenta países, representando diferentes campos da ciência e de outras esferas alusivas ao indivíduo e à sociedade.

Isto permitiu criar uma plataforma global para o intercâmbio de experiências internacionais e melhores práticas sobre o benefício da educação em saúde mental, bem como para a construção de uma rede profissional e diferentes formas de cooperação com ONGs e comunidades empresariais.

O II Congress on Mental Health, realizado por iniciativa de organizações não-governamentais russas que unem psiquiatras, psicoterapeutas, psicólogos, educadores, economistas, advogados, trabalhadores nos setores da arte e dos esportes, contou com o apoio do Ministério da Saúde, o Ministério da Educação e Ciência, o Ministério do Trabalho e Proteção Social e o Ministério do Esporte da Federação Russa.

Como co-patrocinadores, teve a reunião de mais de 2.000 pessoas e entidades como a Associação Mundial de Psiquiatria (WPA), a Associação Mundial de Reabilitação Psicossocial (WAPR), a Associação Mundial de Psiquiatria Social (WASP), o Conselho Mundial de Psicoterapia (WCP), a Associação para a Melhoria dos Programas de Saúde Mental (AMH), a Associação Internacional de Seguridade Social (ISSA), a Associação Internacional Autism Europe, a Associação Internacional de Gerontologia e Geriatria (Seção Clínica da IAGG-Europa), além do apoio de muitos outros institutos, associações e federações.

O resultado cientifico do II Congress on Mental Health pode ser acessado na página oficial[3] do evento.

A terceira edição do Congress on Mental Health já tem data marcada. Acontecerá entre os dias 26 e 29 de junho de 2020, em parceria com o IX Congresso Mundial de Psicoterapia em Moscou, Rússia.



[1] MAMÃE Associação de Assistência à Criança Santamarense. Disponível em:  <http://www.mamae.org.br/html/index.htm>

[2] Born too Soon: the global action report on preterm birth. Disponível em:  <https://www.who.int/pmnch/media/news/2012/201204_borntoosoon-report.pdf>

[3] Declaration Mental Health and Education. Disponível em: <http://www.mental-health-congress.ru/en/2018/final_documents/materials/>