Notícias


16/10/2018
Autor: Angela Hiluey
Boletim Informativo da Associação Brasileira de Psicoterapia | Nº 4/2018 | Outubro
AS EXPERIÊNCIAS VÃO SE SUCEDENDO E A ABRAP CONTINUA EMPENHADA EM COLABORAR COM A PARTE QUE LHE CABE.



Associados e Associadas da ABRAP,

Concidadãos e Concidadãs, Sociedade Brasileira.

 

Palavra da Presidente

Estamos vivendo sob o paradigma da complexidade. Discorrer sobre a etimologia da palavra complexidade nos auxilia a visualizar o que está implicado nos desafios delineados a seguir. A palavra complexidade se origina do latim complectere cuja raiz plectere significa trançar, enlaçar. Diz-se complexo um conjunto, tomado como um todo mais ou menos coerente, cujos componentes funcionam entre si em numerosas relações de interdependência ou de subordinação, relações essas de apreensão muitas vezes difícil pelo intelecto, e que geralmente apresentam diversos aspectos. Edgar Morin (2003) por sua vez aponta o indeterminismo característico do complexo quando escreve: “(...) o que é complexo recupera, por um lado, o mundo empírico, a incerteza, a incapacidade de se atingir a certeza, de formular uma lei eterna, de conceber uma ordem absoluta.” ( Morin, 2003, p.44)

Sendo assim temos o desafio de trançar inclusive os diferentes saberes para podermos atuar com efetividade frente às demandas do mundo pós-moderno.

Para tanto, precisamos admitir a inexistência das certezas que nos guiaram até aqui e, portanto, nos permitiram avançar. No entanto a partir de agora precisamos voar e para voar precisaremos enfrentar o vazio.

Somos assim: sonhamos o voo, mas tememos a altura. Para voar é preciso ter coragem para enfrentar o terror do vazio. Porque é só no vazio que o novo acontece. O vazio é o espaço da liberdade, a ausência de certezas. Mas é isso que tememos: o não ter certezas. Por isso trocamos o voo por gaiolas. As gaiolas são o lugar onde as certezas moram. (Dostiévski na obra: Os Irmãos Karamázov)

Nessa atividade complexa de trançar e enlaçar, a ABRAP vem oferecendo um espaço para realizarmos em conjunto. Damos assim apoio uns aos outros para avançarmos enquanto vivenciamos o vazio e utilizamos aquilo que a psicoterapia desenvolveu para promover o delineamento de novas diretrizes.

Relatar nossas experiências parece-nos o caminho adequado para compartilharmos com vocês as ideias que vão sendo geradas, fruto da nossa participação em eventos e outras atividades. A experiência vem reforçando a adequação de mantermos tal iniciativa.Assim vamos transmitindo nossas vivências enquanto escrevemos a história.

Uma das maneiras de que dispomos para transmitir estes relatos é o nosso site www.abrap.org em especial na seção ABRAP INFORMA. Outra maneira é este boletim periódico, o qual também inserimos no site, além de divulgar por e-mail, e pelas redes sociais a cargo de nossa Conselheira Dra. Marluce Muniz de Souza Pedro: Facebook- @ABRAP.org.br; chamadas pelo Twitter- @ABRAP_ABRAP; e Instagram- oficialabrap.

Esta é a quarta edição do nosso boletim informativo produzida na Gestão 2017-2019. Esperamos que lhes traga proveito.

 

Reunião Científica ABRAP

Nossa Reunião Científica, coordenada por nossa Diretora Científica Profa. Dra. Mathilde Neder, seguiu acontecendo na última quarta-feira de cada mês, como programado. Temos um programa de discussões para o ano todo. O espaço é aberto à participação até mesmo de não-associados ABRAP. Inscreva-se através do e-mail: secretaria@abrap.org.

 

V Congresso Brasileiro de Psicologia Ciência e Profissão

ABRAP já encaminhou atividades para o V Congresso Brasileiro de Psicologia Ciência e Profissão. Enviamos 39 atividades para comporem a programação. Estamos no momento nos preparando para as apresentações e homenagem presencial. Nossa integrante do Conselho Supervisor, Dra. Amélia Thereza de Moura Vasconcellos será presencialmente homenageada no V CBP. À Dra. Amélia inúmeros(as) psicoterapeutas devem sua formação qualificada. A Psicoterapia teve na pessoa da Dra. Amélia uma precurssora inovadora que agregou a esse campo a relevância de um espírito empreendedor.

Esperamos vocês de 14 a 18 de novembro de 2018 no V CBP! Saiba mais AQUI

 

II Encontro de Formadores de Psicoterapeutas

Tornou-se uma realidade, aos 22 de março de 2018, o I Encontro de Formadores de Psicoterapeutas.

A ABRAP está fortemente comprometida com o objetivo de garantir a qualificação do psicoterapeuta e consequente melhoria dos Serviços de Atendimento.

No I Encontro, foi aprovada a iniciativa da ABRAP no sentido de normatizar as competências do psicoterapeuta. Diferentes grupos constituídos por Universidades, Institutos de Formação, ABEP e Núcleo de Psicoterapia do CRP-06, se organizaram para produzir dados para tabulação e utilização na conquista da nossa meta: Normatização das competências do psicoterapeuta.

O II Encontro permitiu a organização dos dados tabulados em tópicos e a partir dos mesmos estamos redigindo um material que possa atender ao nosso objetivo: a normatização das competências do psicoterapeuta. O mesmo vem sendo organizado no formato de orientação aos psicoterapeutas. Saiba mais AQUI.

 

13º Congresso Brasileiro de Terapia Familiar- Interação entre terapeutas, práticas e famílias.

Aconteceu de 02 a 04 de agosto de 2018 na cidade do Rio de Janeiro. Foi organizado pela ABRATEF- Associação Brasileira de Terapia Familiar e pela ATF-RJ, Associação de Terapia Familiar do Rio de Janeiro.

A Profa. Dra. Mathilde Neder, nossa diretora científica, professora emérita da PUCSP e sócia fundadora da ABRATEF e da APTF esteve presente juntamente com nossa presidente, Profa. Dra. Angela Hiluey que dirige uma das Escolas Associadas a Relates: o CEF- Centro de Estudos da Família Itupeva/ São Paulo. Dessa maneira através delas nossa Associação esteve presente.

Favoreceu-se assim que  membros da diretoria e conselhos  da ABRAP pudessem dar sua contribuição, além de voltar contando história. Tal história foi transmitida através de um relato sobre esse Congresso. Saiba mais AQUI.

Tem-se evidenciado enfaticamente a importância da formação dos psicoterapeutas. Cada oportunidade de interlocução reforça tal evidência. Especial ênfase inclusive é dada a uma formação focando a pessoa do psicoterapeuta. Nesse sentido temos a grata satisfação de poder contar com a participação do Dr. Guillermo Garrido(*), médico psiquiatra e psicanalista, nosso colega através da FLAPSI- Federação Latino-americana de Psicoterapia que compartilha conosco seu artigo “El dinero em psicoterapia. Significado e Simbolismo”. A nossa associada, Profa. Dra. Ivonise Fernandes da Motta(**) por sua vez, nos gratifica com seu artigo “A importância da supervisão na formação clínica”. Esses colegas nos instigam a refletir mobilizados por seus artigos sobre alguns temas em particular enquanto evidenciam a relevância de termos uma formação qualificada enquanto psicoterapeutas e nos oferecem subsídios para tanto .

A título de introdução ao artigo do Dr. Guillermo Garrido: tem-se sua observação sobre o quão pouco a psicoterapia e a psicanálise se dedicaram a pensar sobre o dinheiro no tocante a seus significados e simbolismos. Considera Garrido (2018) estranha tal carência de trabalhos por ser este um grande tema da vida cotidiana e uma das fontes de maior sofrimento para o ser humano no mundo de hoje. Em seu artigo argumenta sobre a necessidade da inclusão no treinamento dos psicoterapeutas de uma educação e supervisão clínica em diferentes aspectos, dentre eles o tema dos honorários. E assim pode-se encontrar nesse artigo tanto uma explanação referente aos significados e simbolismos do dinheiro como sobre o manejo do dinheiro entre pacientes e psicoterapeutas. Veja o artigo AQUI.

A Profa. Dra. Ivonise Fernandes da Motta por sua vez escreve que a situação terapêutica é fortemente determinada pela atitude e pela pessoa do terapeuta. Nesse sentido  enfatiza que a formação dos profissionais em psicoterapia requer atenção e reflexão sobre o alargamento do conhecimento que é fruto de interlocução.  Nesse lugar de interlocução, evidencia a professora, está inserida a supervisão em psicoterapia tanto para as de longa quanto para as de curta duração. A professora livre docente, Ivonise, delinea em seu artigo o campo das psicoterapias de orientação psicanalítica e psicodinâmica além de informar que há confirmação sobre a eficácia e pertinência das intervenções psicoterápicas de breve duração tanto no âmbito privado como institucional. A seguir ocupa-se a professora da supervisão na formação clínica. Veja o artigo AQUI.

 

Atividade Científica quando setembro vier...Aconteceu!

De maneira dialógica foi focado o tema- Suicídio: Prevenção ao Suicídio e Posvenção na Atividade Científica que aconteceu aos 29 de setembro de 2018..

A cargo da Profa. Dra. Karina Okajima Fukumitsu, pós-doutora pelo IPUSP e coordenadora do Programa R.A.I.S.E- Ressignificações. Acolhimento. Integrativos ao Sofrimento. Existencial. Autora de vários livros sobre o tema.

Sobre essa Atividade realizada Saiba mais AQUI.

 

Atividade Científica de 26 de outubro de 2018

Práticas Clínicas mediadas por tecnologias e o futuro da Psicoterapia. (atendimento on-line).

A cargo da Profa. Dra. Cláudia Catão que nos propõe uma questão reflexiva: nova subjetividade, novos pacientes, novas tecnologias e antiga psicoterapia?

Agrega, ainda, à reflexão um desafio: a preparação dos profissionais para um Atendimento On-line de excelência.

Profa. Dra. Cláudia Catão: doutora em psicologia clínica pelo IPUSP; co-autora do 1º Referencial Teórico sobre a Psicoterapia On-line em língua portuguesa- Ética, Segurança e Evidências Científicas sobre as práticas clínicas mediadas por tecnologias.

·         Local: R. Capote Valente, 439. Pinheiros. São Paulo/ SP

·         Horário: das 19h30 às 21h30.

Informações e inscrição AQUI Aguardaremos os colegas!

 

A ABRAP está atenta às necessidades atuais para promover a Saúde Mental e nossos associados e associadas adquirem voz e vez em nossa companhia.

E assim nos despedimos.

Diretoria e Conselhos ABRAP Gestão 2017-2019

Angela Hiluey Presidente da ABRAP- Associação Brasileira de Psicoterapia

 

(*) Médico Psiquiata y Psicoanalista (IPA-Fepal); Director del Instituto de Psicoanálisis de Panamá.

(**) Profa. Livre-docente da Universidade de São Paulo; Doutora em psicologia Clínica pela Univesrsidade de São Paulo; Coordenadora do LAPERCI- Laboratorio de Pesquisas sobre o Desenvolvimento Psíquico e a Criatividade em Diferentes Abordagens Psicotserápicas do IPUSP.