Notícias


13/03/2019
Autor: Angela Hiluey
Boletim Informativo da Associação Brasileira de Psicoterapia | Nº 6/2019 | Março
AS EXPERIÊNCIAS VÃO SE SUCEDENDO E A ABRAP CONTINUA EMPENHADA EM COLABORAR COM A PARTE QUE LHE CABE.


Associados e Associadas da ABRAP,

Concidadãos e Concidadãs, Sociedade Brasileira.

 

Palavra da Presidente


Chegamos a 2019!

Teremos novas oportunidades para a ABRAP seguir com seu objetivo de abrir espaço para diálogos interativos, que nos auxiliem a continuarmos cumprindo com nossa responsabilidade enquanto psicoterapeutas.

Quando somos procurados enquanto psicoterapeutas, as histórias que nos relatam revelam os dramas que está e/ou estão vivendo a(as) pessoa(as) que nos procuram. Em fração de segundos a complexidade das tramas vividas pelos seres humanos e seu sofrimento nos chega. Enquanto psicoterapeutas, diferentes referenciais teóricos podem estar implicados e são acionados para se pensar encaminhamentos e intervenções. No entanto uma constatação certamente nos acompanhará: a complexidade de cada situação e o sofrimento que exprimem esses seres humanos.

Por serem tais situações tão comuns a tantas pessoas, nós, os psicoterapeutas, nos debruçamos em tais dilemas para revermos a nossa própria atuação e buscarmos ter intervenções mais eficazes.

A ABRAP segue oferecendo oportunidades para dialogarmos sobre nossa atribuição enquanto psicoterapeutas.

Nos tempos atuais as informações sobre os infortúnios da humanidade nos chegam sem parar enquanto se deve seguir a altura de um mundo que pede produtividade e eficácia a qualquer preço.

Nós também, os psicoterapeutas, vivemos nesse mesmo mundo contemporâneo e, portanto, sofremos da pressão dessas mesmas tendências coletivas.

Necessitamos revisitar nossos conhecimentos e práticas considerando esse mundo contemporâneo do qual diferentes autores nos instigam a nos ocuparmos com o objetivo de garantirmos um atendimento psicoterapêutico seguro à população, pois desse mundo fazemos parte.  Daí o empenho da ABRAP, que vem colaborando para o reconhecimento e qualificação dos psicoterapeutas, com sua ação através do seu grupo de Formadores de Psicoterapeutas, constituído por profissionais de diferentes Institutos e Universidades. O CFP- Conselho Federal de Psicologia, deu-nos seu apoio e ultrapassamos algumas etapas:

1ª esse grupo de Formadores de Psicoterapeutas a partir de três reuniões plenárias, além de várias etapas virtuais, chegou a elaboração de um texto intitulado: “Reconhecimento e qualificação do psicoterapeuta: condições para a formação especializada”.

2ª Tal texto foi apresentado na Plenária do CFP aos 23 de fevereiro e foi bem recebido pelos Conselhos Regionais de Psicologia.

3ª O encaminhamento proposto nessa Plenária foi na direção de que os Conselhos irão promover discussões a partir desse texto já redigido, e representantes desses Conselhos serão designados e estarão presentes a uma nova reunião em abril.

4ª Nessa referida reunião a ABRAP estará presente representada por sua presidente. Será uma nova oportunidade para um diálogo focando as colocações do Sistema Conselhos sobre a proposta encaminhada pela ABRAP referente ao reconhecimento e qualificação do psicoterapeuta.

5ª O resultado desse novo diálogo será apresentado na reunião da APAF, a assembleia que congrega delegados do Sistema Conselhos do país inteiro. Acontecerá no mês de maio próximo. Destaca-se aqui que os Conselhos Regionais de Psicologia estão discutindo esse tema, apoiados por um texto redigido a partir das atividades desenvolvidas pelo grupo de Formadores de Psicoterapeutas.

6ª Se aprovada essa proposta pela APAF, o CFP- Conselho Federal de Psicologia, irá encaminhar uma nota orientativa aos profissionais psicólogos sobre o exercício da psicoterapia.

Essa ação atinge também outros profissionais, pois a psicoterapia não é uma prática exclusiva dos psicólogos. A ABRAP, assim, argumenta sobre a necessidade desses profissionais contarem com uma carga horária extra de estudos que lhes permita adquirir os conhecimentos que não possuam, mas que são necessários a um psicoterapeuta.

Saiba mais sobre a Plenária AQUI.

Saiba mais sobre Normatização AQUI.

Essa nossa mobilização visa contribuir para que os órgãos governamentais, a sociedade, os serviços de atendimento e seus usuários, possam ter uma forma de conhecer a qualificação dos psicoterapeutas e dos Institutos de formação destes.

Ou seja, que possamos, a custa de uma formação qualificada e permanente, analisando e refletindo sobre nossas atividades, repensar nossos conhecimentos e práticas frente aos males que afetam a humanidade, num mundo diverso daquele que vivenciamos um dia.

Rubem Alves, ao discorrer sobre “para que existem as escolas” escreveu que não são para ensinar as respostas, mas para ensinar as perguntas. Parafraseando Rubem Alves estamos mesmo na época de nos fazermos perguntas.

 

Neste Boletim, o primeiro de 2019, procederemos como fizemos em 2018 e se mostrou efetivo, conforme se segue:

Relatar nossas experiências e atividades futuras parece-nos o caminho adequado para compartilharmos com vocês as ideias que vão sendo geradas, fruto da nossa participação em eventos e outras atividades. A experiência vem reforçando a adequação de mantermos tal iniciativa. Assim vamos transmitindo nossas vivências enquanto escrevemos a história.

Uma das maneiras de que dispomos para transmitir estes relatos é o nosso site www.abrap.org em especial na seção ABRAP INFORMA. Outra maneira é este boletim periódico, o qual também inserimos no site, além de divulgar por e-mail, e pelas redes sociais a cargo de nossa Conselheira Dra. Marluce Muniz de Souza Pedro: Facebook- @ABRAP.org.br; chamadas pelo Twitter- @ABRAP_ABRAP; e Instagram- oficialabrap.

Esta é a sexta edição do nosso boletim informativo produzida na Gestão 2017-2019. Esperamos que lhes traga proveito.

 

Atividades futuras:

1. Diálogo Interativo ABRAP- Incongruência de gênero: conceitos e questões na infância, adolescência, família e acompanhamentos. Save the date: 30 de março de 2019 em São Paulo. Saiba mais AQUI

O Dr. Alexandre Saadeh, Desirèe Monteiro Cordeiro e Luciane Gonzalez, estarão dialogando conosco nessa oportunidade. Objetivando incentivar esse diálogo futuro sugerimos que revejam seu artigo “Disforia de gênero da infância e da adolescência” escrito em parceria com Beatriz Bork. Tal artigo constou do Boletim ABRAP em sua quinta edição. E aqui segue: Através desse artigo vamos conhecer um trabalho pioneiro no Brasil com a população trans de crianças e adolescentes. Esse trabalho teve seu início em 2010 no AMTIGOS - Ambulatório Transdisciplinar de Identidade de Gênero e Orientação Sexual do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Os autores fazem referência ao fato de que o trabalho transdisciplinar com a população trans no Brasil é algo novo quando introduzem o leitor ao pioneirismo de seu trabalho com crianças e adolescentes.

O trabalho com as crianças por sua vez é preventivo para evitar as condições estigmatizantes e excludentes relacionadas à identidade de gênero, escrevem os autores. Por outro lado, com os adolescentes, é um trabalho de diminuir danos dada a possibilidade da infância e a puberdade terem deixado marcas psíquicas e físicas causadoras de sofrimento intenso. Veja o artigo AQUI.

2. I Seminário Interativo Internacional: Novos enfoques do maltrato desde perspectivas relacionais. Save the date: 23 e 24 de Agosto de 2019 em São Paulo. Saiba mais AQUI.

Nesse I Seminário em pleno séc. XXI teremos a voz feminina e a voz masculina se ocupando juntas e dialogando entre si e conosco sobre o tema do maltrato numa perspectiva relacional.

Objetivando esse futuro diálogo nossos convidados Prof. Dr. Juan Luis Linares e a Profa. Dra. Regina Giraldo Arias nos agraciaram com artigos de sua autoria. Tais artigos já foram publicados, mas temos a autorização das fontes originais para nossa publicação.

Regina Giraldo Aires escreveu o artigo- Terapia de pais separados: una forma de terapia en pareja baseada en los vínculos. Terapia de pais separados: uma terapia em casal baseada nos vínculos (tradução livre).

Em seu artigo, Regina Giraldo Arias, refere não ser novo esse tipo de atendimento, pois existem diversos desses programas implantados nos EEUU e Europa. Por outro lado, refere essa autora que esses são do tipo pedagógico e não possuem características de psicoterapia. Sua proposta de terapia de pais separados atua sobre a premissa da necessidade de trabalhar com o vínculo, a ruptura, a perda e a cooperação. Quando se intervém sob um plano pedagógico, escreve a autora, as intervenções vêm do exterior com soluções mágicas para o problema, sem muita implicação dos interessados. Essa autora utiliza e descreve a abordagem sistêmica complexa na terapia de pais separados e ainda nos apresenta, ao longo de seu artigo, um atendimento derivado pelo juiz de família. Argumenta Giraldo, que intervenções em tais situações que estejam isentas ou carentes de perspectiva terapêutica complexa é insuficiente e fracassa no seu objetivo de superar o conflito, encontrar bem-estar emocional para os adultos e proteger as crianças das graves consequências psicológicas que o conflito intraparental provoca. Veja o artigo AQUI.

Juan Luis Linares escreveu o artigo- Protección o maltrato institucional? Una encrucijada en las políticas de atención el menor. Proteção ou maltrato institucional? Uma encruzilhada nas políticas de atenção ao menor. (tradução livre)

Em seu artigo Juan Luis Linares escreve sobre a relevância da intervenção terapêutica nos casos de maltrato, pois as medidas somente de controle não vem se mostrando uma alternativa suficiente. Foca-se na Espanha para mostrar que as instituições seguem aplicando o controle em duas vertentes: reprimir o maltratador e proteger o maltratado. A lei contra a violência de gênero mostra, escreve Linares, que em realidade não há proteção, pois no maltratador somente reprimido há uma exacerbação de suas tendências auto e hetero destrutivas; e a maltratada somente protegida escapa a essa proteção para voltar a se expor ao perigo.  Ambos são impelidos por forças psicológicas muito mais poderosas que o controle. Sendo assim o controle se deve dar num nível de complexidade superior que inclua o terapêutico. Descreve, então, em seu artigo um atendimento em terapia familiar por derivação do serviço de atenção ao menor.  Evidencia através de tal atendimento a relevância do trabalho em parceria com o derivante e as vicissitudes do mesmo para que haja um processo terapêutico exitoso. Veja o artigo AQUI.

Agradecemos a Redes- Revista de Psicoterapia Relacional e Intervenciones Sociales por nos permitir essas reproduções.

 

Reunião Científica ABRAP

Nossa Reunião Científica, coordenada por nossa Diretora Científica Profa. Dra. Mathilde Neder, seguiu acontecendo na última quarta-feira de cada mês, como programado. Temos um programa de discussões para o ano todo. O espaço é aberto à participação até mesmo de não-associados ABRAP. Inscreva-se através do e-mail: secretaria@abrap.org.

 

Nosso adeus a Dr. Rodolfo de Bernart- aos 17 de fevereiro de 2019.

Fica para mim a lembrança do Rodolfo, uma pessoa alegre, durante um almoço em Buenos Aires em 2018, época em que ele era presidente da EFTA. Seu incentivo para estar na Conferência da EFTA- Associação Europeia de Terapia Familiar, que aconteceria em Nápoles- setembro/2019. E com certeza, disse Rodolfo, nos vemos em junho nas Jornadas Relates em Barcelona. Isso já não vai acontecer, mas fica a lembrança em nossa mente: de uma pessoa alegre, persistente e criativa. Sua obra vai nos acompanhar. A ABRAP fez sua nota de pesar. Reveja nossa mensagem AQUI

 

Parceria Editora Juruá e a ABRAP.

Livros com 20% de desconto.

Mais de 4000 obras com 20% de desconto para associados ABRAP. Saiba mais AQUI.

 

Cronograma de Eventos para 2020/2019 incluindo membros da ABRAP e/ou com a parceria da ABRAP:

IX Congresso Mundial de Psicoterapia “Criança, Sociedade e Futuro- o Planeta da Psicoterapia”.

Emília Afrange como Presidente da FLAPSI- Federação Latino-americana de Psicoterapia está no Comité Organizador desse Evento. Dessa maneira a ABRAP estará nesse Evento através de nossa vice-presidente.

Save the date: 26 a 29 de junho de 2020, em Moscou- Rússia. Saiba mais AQUI.

 

 

XII Congresso Brasileiro de Terapias Cognitivas- CBTC, 2019.

Evento com a parceria da ABRAP

Save the date: 2 a 6 de abril de 2019, Fábrica de Negócios- Fortaleza, Ceará, Brasil. Saiba mais AQUI.

 

IPS- Instituto de Psicologia Somática

Curso bi-mensal da Formação em Psicoterapia do Trauma- Método Somatic- Memory-Systems

Organização do IPS dirigido por nossa diretora de afiliação, Ana Patrícia de Sá Peixoto.

Início: 25 de abril de 2019. Saiba mais AQUI.

 

CEF- Centro de Estudos da Família Itupeva.

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu: Especialização em Terapia de Casal e Família

Direção e coordenação de nossa presidente, Angela Hiluey.

Início 13 de abril em Itupeva/ São Paulo Saiba mais AQUI.

 

Jornadas Relates 2019

Save the date: 27 a 29 de junho de 2019

Barcelona/ Espanha

Organizada pela Escola Sant Pau dirigida por Juan Luis Linares

Nossa presidente, Angela Hiluey lá estará como diretora do CEF- Centro de Estudos da Família Itupeva em uma sub-plenária moderada por Regina Giraldo Arias. Saiba mais AQUI.

 

Esperamos encontrar vocês em diferentes oportunidades ao longo de 2019.

 

Diretoria e Conselhos ABRAP- Associação Brasileira de Psicoterapia.

 

Atenciosamente, Angela Hiluey

                            Presidente da ABRAP- Associação Brasileira de Psicoterapia

                            Gestão 2017-2019