Notícias



04/06/2019
Autor: Angela Hiluey
Boletim Informativo da Associação Brasileira de Psicoterapia | Nº 7/2019 | Maio
AS EXPERIÊNCIAS VÃO SE SUCEDENDO E A ABRAP CONTINUA EMPENHADA EM COLABORAR COM A PARTE QUE LHE CABE


Associados e Associadas da ABRAP,

Concidadãos e Concidadãs, Sociedade Brasileira.

 

Palavra da Presidente

 

E 2019 nos trouxe ao mês de junho.

Teremos novas oportunidades para a ABRAP seguir com seu objetivo de abrir espaço para diálogos interativos, que nos auxiliem a continuarmos cumprindo com nossa responsabilidade enquanto psicoterapeutas.

A ABRAP seguiu oferecendo oportunidades para dialogarmos sobre nossa atribuição enquanto psicoterapeutas durante os meses subsequentes ao nosso Sexto Boletim ABRAP.

Tivemos, também, uma nova conquista em decorrência da proposta desenvolvida pela ABRAP com seu Grupo de Formadores de Psicoterapeutas. Sendo assim para seguir contando história inicia-se retomando alguns trechos do Boletim anterior como preâmbulo de introdução às novidades. Escreveu-se no passado:

“Nos tempos atuais as informações sobre os infortúnios da humanidade nos chegam sem parar enquanto se deve seguir a altura de um mundo que pede produtividade e eficácia a qualquer preço.

Nós também, os psicoterapeutas, vivemos nesse mesmo mundo contemporâneo e, portanto, sofremos da pressão dessas mesmas tendências coletivas.

Necessitamos revisitar nossos conhecimentos e práticas considerando esse mundo contemporâneo do qual diferentes autores nos instigam a nos ocuparmos com o objetivo de garantirmos um atendimento psicoterapêutico seguro à população, pois desse mundo fazemos parte.  Daí o empenho da ABRAP, que vem colaborando para o reconhecimento e qualificação dos psicoterapeutas, com sua ação através do seu grupo de Formadores de Psicoterapeutas, constituído por profissionais de diferentes Associações, Institutos e Universidades. O CFP- Conselho Federal de Psicologia, deu-nos seu apoio e ultrapassamos algumas etapas:

1ª esse grupo de Formadores de Psicoterapeutas a partir de três reuniões plenárias, além de várias etapas virtuais, chegou a elaboração de um texto intitulado: “Reconhecimento e qualificação do psicoterapeuta: condições para a formação especializada”.

2ª Tal texto foi apresentado na Plenária do CFP aos 23 de fevereiro e foi bem recebido pelos Conselhos Regionais de Psicologia.

3ª O encaminhamento proposto nessa Plenária foi na direção de que os Conselhos irão promover discussões a partir desse texto já redigido, e representantes desses Conselhos serão designados e estarão presentes a uma nova reunião em abril.

4ª Nessa referida reunião a ABRAP estará presente representada por sua presidente. Será uma nova oportunidade para um diálogo focando as colocações do Sistema Conselhos sobre a proposta encaminhada pela ABRAP referente ao reconhecimento e qualificação do psicoterapeuta.

5ª O resultado desse novo diálogo será apresentado na reunião da APAF, a assembleia que congrega delegados do Sistema Conselhos do país inteiro. Acontecerá no mês de maio próximo. Destaca-se aqui que os Conselhos Regionais de Psicologia estão discutindo esse tema, apoiados por um texto redigido a partir das atividades desenvolvidas pelo grupo de Formadores de Psicoterapeutas.

Essa ação atinge também outros profissionais, pois a psicoterapia não é uma prática exclusiva dos psicólogos. A ABRAP, assim, argumenta sobre a necessidade desses profissionais contarem com uma carga horária extra de estudos que lhes permita adquirir os conhecimentos que não possuam, mas que são necessários a um psicoterapeuta.

Saiba mais sobre a Plenária AQUI.

Saiba mais sobre Normatização AQUI.

Essa nossa mobilização visa contribuir para que os órgãos governamentais, a sociedade, os serviços de atendimento e seus usuários, possam ter uma forma de conhecer a qualificação dos psicoterapeutas e dos Institutos de formação destes.

Ou seja, que possamos, a custa de uma formação qualificada e permanente, analisando e refletindo sobre nossas atividades, repensar nossos conhecimentos e práticas frente aos males que afetam a humanidade, num mundo diverso daquele que vivenciamos um dia.”

Nesse momento já é de conhecimento as consequências tanto do diálogo com os delegados dos Conselhos Regionais de Psicoterapia que ocorreu durante o Seminário sobre Psicoterapia que aconteceu no dia 28 de abril como conhecemos o resultado da APAF- Assembléia de Políticas, da Administração e das Finanças do Sistema Conselhos de Psicologia que contou com a presença da presidente da ABRAP, Angela Hiluey, como convidada no dia 19 de maio.

Neste Boletim, procederemos como fizemos em 2018 e se mostrou efetivo, conforme se segue:

Relatar nossas experiências e atividades futuras parece-nos o caminho adequado para compartilharmos com vocês as ideias que vão sendo geradas, fruto da nossa participação em eventos e outras atividades. A experiência vem reforçando a adequação de mantermos tal iniciativa. Assim vamos transmitindo nossas vivências enquanto escrevemos a história.

Uma das maneiras de que dispomos para transmitir estes relatos é o nosso site www.abrap.org em especial na seção ABRAP INFORMA. Outra maneira é este boletim periódico, o qual também inserimos no site, além de divulgar por e-mail, e pelas redes sociais a cargo de nossa Conselheira Dra. Marluce Muniz de Souza Pedro: Facebook- @ABRAP.org.br; chamadas pelo Twitter- @ABRAP_ABRAP; e Instagram- oficialabrap.

Esta é a sétima edição do nosso boletim informativo produzida na Gestão 2017-2019. Esperamos que lhes traga proveito.

Relato da experiência no Seminário sobre Psicoterapia e na APAF- Assembléia de Políticas, da Administração e das Finanças do Sistema Conselhos de Psicologia.

As conquistas foram significativas para os psicoterapeutas. No Seminário sobre Psicoterapia estiveram presentes além da Presidente da ABRAP, Angela Hiluey, representando a Associação e seu Grupo de Formadores de Psicoterapeutas, Dreyf de Assis Gonçalves representando a ABEP- Associação Brasileira de Ensino de Psicologia (que também integra o Grupo de Formadores de Psicoterapeutas da ABRAP); Aluízio Lopes de Brito (CFP); e Adriano Furtado Holanda. Fomos coordenados pela Conselheira do CFP- Ana Sandra Nóbrega. A apresentação dos colegas permitiu a visualização da dimensão da responsabilidade de um psicoterapeuta dada a complexidade de seu campo de atuação: a psicoterapia. Tal visualização permite que evidenciemos a necessidade de estarmos seguros sobre a prática que oferecemos à população brasileira. Houve a possibilidade de interlocução com os necessários esclarecimentos. Os delegados dos CRPs possuíam, a partir desse Seminário, mais elementos para prosseguirem com o diálogo sobre esse tema em suas regiões. Saiba mais AQUI

Tais comentários sobre esse Seminário permitem que se introduza os termos utilizados na proposta apresentada, “reconhecimento” e “qualificação”, para que algumas considerações possam ser encaminhadas.

Reconhecimento no Dicionário Aurélio tem o sentido de: ficar convencido de; admitir; ter como verdadeiro; conhecer a própria imagem.

Qualificação no referido dicionário tem o sentido de: apreciar, avaliar, indicar a que qualidade ou classe pertence alguém ou alguma coisa.

Nosso documento ocupou-se do reconhecimento e qualificação do psicoterapeuta.

Ou seja ficar convencido, admitir que é um psicoterapeuta para si mesmo e a qual categoria pertence a partir de sua própria avaliação, a partir da qualidade ou das qualidades que possui é relevante para os psicoterapeutas se reconhecerem como tais. Seguramente a qualificação de sua prática será consequência de tal reconhecimento. Ao mesmo tempo se pode fazer uma analogia com as crianças que para conquistarem sua autonomia necessitam perceber-se reconhecidos como indivíduos independentes por suas figuras significativas. Nesse sentido em situação de ensino-aprendizagem são os formadores de psicoterapeutas que ao reconhecerem e qualificarem aqueles que formaram lhes auxiliará em seu processo pessoal de reconhecer-se. Se o entorno mais amplo vier a saber como reconhecê-lo como psicoterapeuta, também, estará auxiliando e animando os reconhecidos psicoterapeutas a seguirem se desenvolvendo. Além sem dúvida que poderão reconhecer se contam com profissionais qualificados para a prática psicoterapêutica.

Sendo assim a atividade desenvolvida pelo Grupo de Formadores de Psicoterapeutas da ABRAP teve como objetivo fornecer critérios comuns para o reconhecimento e qualificação do psicoterapeuta. Em decorrência do exposto pode-se concluir que não é suficiente saber que se deve ter uma formação continuada e que para tanto se deve buscar centros especializados. É necessário que se evidencie aquilo que se deve ser e fazer para auxiliar nesse ato de ficar convencido, de admitir, para  se reconhecer como um psicoterapeuta. Esse grupo de formadores discorreu inclusive sobre as metodologias de ensino-aprendizagem e de avaliação com o propósito de auxiliar no delineamento das condições para o ser e fazer qualificado em  psicoterapia.

Pode-se, então, afirmar que a conquista que nos levou a conseguir vir a ter muito em breve uma Carta Aberta à população brasileira redigida pelo CFP- Conselho Federal de Psicologia e pautada nesse documento que o Grupo de Formadores de Psicoterapeutas da ABRAP redigiu, possui o valor de dar asas aos psicoterapeutas uma vez que fornece:  elementos para reconhecermos se estamos em condições de atuar com responsabilidade; elementos para avaliar aquilo que necessitamos ainda conseguir; elementos para selecionar que curso devemos buscar; os institutos podem re-avaliar seus cursos; os serviços podem ter elementos para visualizarem com que profissionais contam e/ou mesmo avaliar o que tais profissionais possuem ou não possuem para oferecer. Asas porque a partir desse amparo (as competências necessárias aos psicoterapeutas) podemos ousar enfrentar o mundo e buscar aquilo que poderá nos enriquecer e com determinação, pois o “ficar convencido” dá segurança para enfrentar a busca que é constante, pois: ”nada do que foi será do jeito que já foi um dia”, canta Lulu Santos. E a produção do conhecimento confirma isso. Ou seja necessitamos mesmo estar acompanhando as mudanças no mundo contemporâneo e assim desenvolver uma prática condizente com as necessidades dos seres humanos que habitam tal mundo.

As competências que enumeramos em nosso documento podem ser insuficientes, podem necessitar ser re-escritas, precisarão ser ampliadas? Sim poderão, mas temos um começo para utilizarmos as nossas asas!

Além dessa Carta Aberta à população brasileira redigida pelo CFP- Conselho Federal de Psicologia, o próprio CFP ainda organizará um Seminário, com prontidão.

E foi ainda, decidido na APAF, pela criação de um GT- Grupo de Trabalho com a inclusão nesse GT da participação da ABRAP e da ABEP. Saiba mais AQUI

Após a publicação da Carta Aberta redigida pelo CFP publicaremos o documento construído pelo Grupo de Formadores de Psicoterapeutas da ABRAP.

Os psicoterapeutas merecem tanto se reconhecer como serem reconhecidos. A ABRAP está com os psicoterapeutas.

 

Atividade futura:

I Seminário Interativo Internacional: Novos enfoques do maltrato desde perspectivas relacionais. Save the date: 23 e 24 de Agosto de 2019 em São Paulo. Saiba mais AQUI.

Nesse I Seminário em pleno séc. XXI teremos a voz feminina e a voz masculina se ocupando juntas e dialogando entre si e conosco sobre o tema do maltrato numa perspectiva relacional.

Objetivando esse futuro diálogo nossos convidados Prof. Dr. Juan Luis Linares e a Profa. Dra. Regina Giraldo Arias nos agraciaram com artigos de sua autoria. Tais artigos já foram publicados, mas temos a autorização das fontes originais para nossa publicação. Veja os artigos

Agradecemos a Redes- Revista de Psicoterapia Relacional e Intervenciones Sociales por nos permitir essas reproduções.

 

Reunião Científica ABRAP

Nossa Reunião Científica, coordenada por nossa Diretora Científica Profa. Dra. Mathilde Neder, seguiu acontecendo na última quarta-feira de cada mês, como programado. Temos um programa de discussões para o ano todo.

Contamos nessas últimas Reuniões Científicas com a presença de expositores com quem estabelecemos uma rica interlocução. Conosco estiveram:

Aos 27 de março: a Profa.Me. Maria da Glória Cracco Bozza que coordenou Uma vivência com o método Argila Espelho da Auto-Expressão.

Aos 24 de abril: o Prof. Dr. Alfredo Naffah Neto que dialogou conosco sobre- Ver e ser visto como forma de identidade:sobre a inundação do nosso cotidiano pelo universo virtual.

Aos 29 de maio: a Profa. Dra. Denise Gimenez Ramos que dialogou conosco sobre: Sandplay- O jogo de areia.

O espaço é aberto à participação até mesmo de não associados ABRAP. Inscreva-se através do e-mail: secretaria@abrap.org.

 

A prática psicoterapêutica no Século XXI.

O conhecimento produzido no campo da Psicoterapia ao longo do tempo nos permite visualizar os desafios advindos dessa própria evolução.

Nessa edição de nosso Boletim temos a satisfação de mostrar a produção de duas colegas da diretoria ABRAP através de seus artigos, o que nos permite constatar o comprometimento e dedicação dos psicoterapeutas para exercerem uma psicoterapia que atenda às necessidades da população brasileira.

Nossas colegas: Dra. Arianne Angelelli[1], diretora de secretaria e a Psic. Ana Patrícia de Sá Peixoto[2], diretora de afiliação através de seus artigos com os quais nos presentearam mostram ao leitor a correlação entre teoria e prática considerando em tal correlação um ser humano fruto de um mundo sem interrupção onde estamos conectados todo o tempo. Agradecemos a nossas colegas que permitem, ainda, através de seus trabalhos, a constatação da necessidade da implicação de conhecimentos diversos para o exercício da psicoterapia no mundo de hoje.

Arianne Angelelli nos alerta sobre as necessidades humanas não atendidas quando escreve que as pausas que o corpo exige tais como comer, dormir, defecar, descansar o ambiente moderno nos nega, pois não pára de fomentar a continuidade. Essa é uma das considerações que Angelelli nos apresenta: a conexão contínua e suas consequências enquanto enfoca o ritmo em seu artigo- Ritmo: um organizador do psiquismo. Através de seu artigo alinha situações do cotidiano com a teoria. Veja o artigo AQUI.

Enquanto em seu artigo intitulado- Como o trauma silencia os sonhos, a Ana Patrícia de Sá Peixoto nos apresenta tanto a definição de trauma como os conhecimentos teóricos-técnicos que se necessita para sustentar a prática psicoterapêutica quando atendemos aqueles que foram arremessados para fora de seus corpos e seus sentidos foram anestesiados lhes roubando a capacidade de sonhar e planejar o futuro. Veja o artigo AQUI.

Essas estimulantes autoras mostram que necessitamos de diferentes saberes e de uma integração entre eles para o exercício da psicoterapia nesse mundo contemporâneo.

 

Parceria Editora Juruá e a ABRAP.

Livros com 20% de desconto.

Mais de 4000 obras com 20% de desconto para associados ABRAP. Saiba mais AQUI.

 

Cronograma de Eventos para 2020/2019 incluindo membros da ABRAP e/ou com a parceria da ABRAP:

IX Congresso Mundial de Psicoterapia “Criança, Sociedade e Futuro- o Planeta da Psicoterapia”.

Emília Afrange como Presidente da FLAPSI- Federação Latino-americana de Psicoterapia está no Comité Organizador desse Evento. Dessa maneira a ABRAP estará nesse Evento através de nossa vice-presidente.

Save the date: 26 a 29 de junho de 2020, em Moscou- Rússia. Saiba mais AQUI.

 

18º Congresso Brasileiro de Qualidade de Vida, 2019. Promovido pela ABQV- Associação Brasileira de Qualidade de Vida.

Evento com a parceria da ABRAP

Save the date: 23 a 25 de junho de 2019, Hospital Sírio- Libanês- São Paulo, SP, Brasil. Saiba mais AQUI.

 

Jornadas Relates 2019

Save the date: 27 a 29 de junho de 2019

Barcelona/ Espanha

Organizada pela Escola Sant Pau dirigida por Juan Luis Linares

Nossa presidente, Angela Hiluey lá estará como diretora do CEF- Centro de Estudos da Família Itupeva em uma sub-plenária moderada por Regina Giraldo Arias. Saiba mais AQUI.

 

Esperamos encontrar vocês em várias oportunidades ao longo de 2019.

 

 

Diretoria e Conselhos ABRAP- Associação Brasileira de Psicoterapia.

 

Atenciosamente, Angela Hiluey

                            Presidente da ABRAP- Associação Brasileira de Psicoterapia

                            Gestão 2017-2019



[1] Arianne Angelelli Psiquiatra da infância e adolescência; Psiquiatra com ênfase nos transtornos do ciclo gravídico puerperal; Psicoterapeuta com formação pelo IPPIA Instituto de Psiquiatria e Psicoterapia da Infância e Adolescência. Colaboradora e pesquisadora do ProMulher- programa de pesquisa e assistência aos transtornos psíquicos do ciclo reprodutivo feminino do HC-USP. Docente e participante da equipe clínica do Instituto de Psicologia Perinatal-GERAR. Médica colaboradora da Casa Curumim-espaço multiprofissional especializado em aleitamento materno

 

[2] Ana Patrícia Peixoto CRP-17/0092: Diretora do IPS-Natal/RN. Psicóloga, Psicoterapeuta Biossistêmica (SISPB, Bologna, Itália). Certificado de Psicoterapeuta Biossistêmica reconhecido pela Federação Latino Americana de Psicoterapia. Formação em Análise Bioenergética (IIBA, Nova York, EUA) e Biossintese (CBI, Hiden, Suiça). Local Trainer em Biossistêmica; Supervisora em terapia psicocorporal desde 1996. Supervisora em Biossistemica; Coordena workshop na área clínica e educacional; atua em clinica privada desde 1985. Coordenadora da Formação Internacional em Psicoterapia Biossistêmica e Trauma pelo método Somatic-Memory-Systems-Natal/RN. Diretora da DIALOGOS/DIALOGHI-revista Ítalobrasileira de Psicoterapia e Biossistêmica. Membro da ABRAP atualmente na função de Diretora de afiliação. www.ipsk.net.